Nofake

Fiamma Ferragamo

Já se passaram mais de 20 anos da morte de Fiamma Ferragamo. Por isso nós preparamos algumas curiosidades para você conhecer mais sobre a filha mais velha e herdeira de Salvatore Ferragamo. Ela foi a responsável por criar os elementos mais icónicos da marca, por exemplo o Gancini e o Laço Vara. Além de ser a responsável por expandir os negócios do pai, visto que o transformou em um dos principais nomes do mercado de luxo Italiano.

Fiamma Ferragamo
  • A Infância e início de carreira na Salvatore Ferragamo.
  • Suas principais criações.
  • Prêmios e homenagens. 
  • Legado Ferragamo misturando moda e arte.

A Infância e início de carreira na Salvatore Ferragamo

Fiamma nasceu no dia 3 de Setembro de 1941 e foi a mais velha dos seis filhos de Wanda e Salvatore Ferragamo. Ela abandonou os estudos precocemente a convite do pai, para ajuda-lo na empresa. Ela tinha 16 anos quando começou a trabalhar com ele, a princípio no mundo da sapataria e design de produção. Sempre muito curiosa ela aprendeu técnicas fundamentais do ofício. Porque estava sempre observando o trabalho do pai. Ele muito atento à anatomia dos pés, fabricava sapatos para atender as necessidades deles, não apenas por estética. Ele pessoalmente supervisionava a criação dos protótipos. Além disso lixava a mão as madeiras que usava para construir os moldes dos sapatos. Esse conhecimento impressionou muito a jovem Fiamma, alimentando sua curiosidade e paixão pela sapataria.

Quando Ferragamo morreu Fiamma tinha 19 anos. Como ela tinha sido a única na família a trabalhar ao lado de seu pai, eventualmente acabou herdando dele o cargo e se tornando embaixadora do estilo Ferragamo. Em uma era em que mulheres empresárias não eram algo tão comum, Fiamma se torna um exemplo na área. Decerto graças a sua natureza entusiasmada e exigente, sua grande determinação e forte criatividade. Qualidades essas herdadas de seus pais. Pouco tempo depois todos os irmão mais novos da família Ferragamo entraram para a empresa. Cada um encorajado a seguir com seu talento, um aspecto que levou ao nascimento de novos setores de produções. O sonho de Salvarore não apenas sobreviveu a sua morte como prosperou e expandiu numa dimensão internacional. 

Suas principais criações

As criações de Salvatore Ferragamo são reconhecidas como verdadeiras obras de arte do século vinte. Mas o impacto de Fiamma na história da moda é também algo bastante importante, já que ela criou modelos como o sapato com o Laço Vara. 

Sapato Laço Vara – Criação de Fiamma Ferragamo

O sapato Laço Vara

Segundo a própria Fiamma contou em entrevista, a história desse famoso sapato aconteceu em 1978: “Quando ele foi criado as coleções da boutique não tinham um estilo que pudesse ser ao mesmo tempo casual e elegante. Os designers começaram a trabalhar num formato que estava sendo testado a algumas coleções e já sabíamos que era confortável, com um salto baixo e frente arredondada. Uma pequena placa oval de metal foi adicionada ao protótipo, junto de um laço improvisado de um pedaço de tecido simples encontrado no atelier. Pareceu uma boa ideia e nós decidimos mandar o sapato pro designer pedindo que ela fizesse o laço do mesmo couro que o sapato. Mas houve um desentendimento e o laço continuou no material simples.”  Desde então a produção do Vara nunca parou e mais de um milhão de pares já foram vendidos, um recorde absoluto na categoria.

O Gancini

Em 1965 Fiamma decidiu começar a desenhar e produzir bolsas e pequenos artigos de couro, como acessórios complementares aos sapatos. A primeira matéria impressa com uma bolsa Salvatore Ferragamo aparecendo foi na data de 1969.

Com o tempo esses acessórios se tornaram mais e mais significantes na oferta de produção da marca. Em 1972 a prestigiada revista Americana Women’s Wear Daily publicou uma foto de uma bolsa Ferragamo com um acessório de metal em formato de gancho servindo de fecho. Foi a primeira vez que o “Gancini” apareceu, com o propósito de se tornar um símbolo da marca, por sua elegância e feminilidade. O símbolo foi amplamente utilizado em acessórios de couro, sapatos e lenços. Segundo relatos a inspiração de sua forma veio a partir do prendedor de ferro ornamentado feito para amarrar cavalos. O qual está localizado na lateral externa do Palazzo Spini Feroni, onde desde 1938 ficam os escritórios da Ferragamo em Florença.

Paul Andrew

O símbolo foi reinterpretado em forma de monograma a partir de 2019 por Paul Andrew. Ele é o atual diretor criativo da marca. Paul reinterpretou o símbolo com o propósito de representar a união. Sobretudo servindo como um ponto de conexão, tanto literalmente adornando os acessórios das coleções, quanto figurativamente, representando a união entre as gerações, entre tradição e modernidade, que são conceitos muito fortes da Ferragamo.

Giancini interpretado como monograma

“Como designer, valorizo a elegância inata da refinada simplicidade do Gancini e a sensualidade de sua forma. Outro aspecto é sua dualidade: duas fivelas que se conectam e se sustentam. A beleza da forma do Gancini é algo que trabalhei para enfatizar e enriquecer através da criação deste novo monograma.”, Disse Paul sobre a escolha do monograma como identidade visual da marca a fim de estampar looks completos como óculos, bolsas, sapatos, lenços e outros acessórios masculinos e femininos.

Prêmios e homenagens

No dia 9 de Fevereiro de 1967, no Hotel Sheraton-Dallas, no Texas, Fiamma recebeu o prêmio Neiman Marcus. O prêmio é o famoso Oscar da moda, pelo motivo de “ter trazido uma nova dimensão para o nome Ferragamo graças à originalidade e frescor de seus design”. O prêmio ademais já tinha sido recebido pelo seu pai vinte anos antes. Além dela outros designers receberam o prêmio. Valentino, Lydia di Roma, Venturini di Lucca e Emilio Pucci em nome de todos os artistas Florentinos que foram prejudicados pela enchente de 1966, em Florença. A prestigiada revista Life dedicou uma das suas capas à Fiamma, ela tinha 24 anos.

Fiamma Ferragamo, Valentino, Lydia di Roma, Venturini di Lucca e Emilio Pucci.

O Neiman Marcus foi só o primeiro de uma longa lista de premiações e honrarias recebidas por Fiamma Ferragamo durante sua vida. Em 1969 ela recebeu o prêmio Saks Fifth Avenue. Posteriormente, em 1988 ela foi nomeada Designer do ano pelo American Footwear News. Em seguida, em Fevereiro de 1993, ela recebeu medalha de honra do Fashion Footwear Association of New York. Além disso ela foi a primeira presidente da delegação do Fondo Ambiente Italiano de Tuscan, membro do conselho regente do Banco da Italia e membro do comitê do centro Florentino pela moda Italiana.

Legado Ferragamo misturando moda e arte

Assim como seu pai, Fiamma meticulosamente mantinha os protótipos de seus produtos e documentos relacionados ao seu trabalho. Em 1985 ela estava entre os promotores da primeira retrospectiva dedicada ao Salvatore Ferragamo, que aconteceu em Florença, no Palazzo Strozzi. Pela primeira vez na Itália produtos de moda foram exibidos como peças de arte. 

A exibição chamava “Líderes da moda, Salvatore Ferragamo 1889-1960” (com curadoria de Cristina Aschengreen Piacenti e Stefania Ricci). O que se tornou itinerante e passou por grandes museus internacionais. Como por exemplo o Museu Victoria e Albert em Londres, o Los Angeles County Museum of Art na Califórnia, a fundação Sogetsu Kai de Tóquio, o Museo de Bellas Artes na Cidade do Mexico. O sucesso da iniciativa convenceu a família a abraçar a ideia e dessa forma montar um museu real sobre a empresa. Fiamma em particular guiou esse projeto. Fazendo uso de habilidades profissionais não só de historiadores, bem como de arquivistas para a fundação do arquivo Salvatore Ferragamo e a abertura do Museu Salvatore Ferragamo, em 1995.

Fachada do museu Salvatore Ferragamo

Exposições para retratar a história do fundador

Desde meados da década de 1990, o museu organizou várias exposições para retratar a história do fundador e mostrar a abertura e o interesse de uma empresa por diferentes linguagens artísticas, do design à moda, como meio de comunicação para a divulgação de um estilo de viver e vestir.
 
Em reconhecimento à importância cultural do museu e de suas diversas iniciativas ao longo dos anos, em 1999, Salvatore Ferragamo recebeu o Prêmio Guggenheim Impresa e Cultura. O qual é concedido anualmente às empresas que melhor investem em cultura para fins construtivos.
 
A partir de 2006, a fim de dinamizar a vida do museu como a da empresa, decidiu-se modificar a estrutura expositiva e selecionar a cada ano um tema de pesquisa diferente que, partindo da experiência de Salvatore Ferragamo, da história da sua vida, das suas criações, dos clientes que atendeu e dos seus valores, dá a oportunidade de descobrir o mundo de Ferragamo de forma indireta combinada com outras expressões culturais como Arte, Arquitetura , Design, História e Filosofia económica e social. Cada vez que o museu parece diferente, com uma configuração diferente e conteúdos diferentes.
O Museo Salvatore Ferragamo é também membro fundador da Museimpresa , associação italiana de museus e arquivos empresariais promovida pela Assolombarda e Confindustria, constituída com o objetivo de divulgar o conhecimento histórico das empresas italianas que fundamentaram o Made in Italy. Em novembro de 2015, o museu se tornou o primeiro museu corporativo verde da Itália.
 
O projeto estabelecido pelo Museimpresa e pela Confindustria com o objetivo de criar a primeira rede mundial de museus corporativos sustentáveis que quantificam suas emissões de CO2. O que levou o Museo Salvatore Ferragamo a obter a certificação internacional ISO 14064 no que diz respeito à quantificação e reporte das emissões de gases de efeito estufa.

Conselho Internacional de Museus

Desde novembro de 2016, o museu aderiu oficialmente ao ICOM (Conselho Internacional de Museus), a mais importante e prestigiada organização internacional de museus e profissionais de museus.
 
Composto por mais de 35.000 membros e por um fórum que reúne especialistas de 136 países e territórios, representa a comunidade museológica como um todo. Você pode fazer sua reserva para uma visita guiada no museu Ferragamo virtualmente por aqui ou presencialmente, onde o serviço é disponibilizado em Italano, Francês, Inglês ou Espanhol. 

Tour virtual no museu Salvatore Ferragamo

Fiamma Ferragamo morreu precocemente aos 57 anos, no dia 28 de Setembro de 1998 após quase uma década de batalha contra o câncer de mama, mas seu nome e legado permanecem vivos. Em 2014 seu nome foi usado pra batizar um novo modelo de bolsa para a marca e o novo arquivo da Ferragamo, inaugurado em 2020, foi dedicado a Fiamma.

Bolsa lançada em 2014 batizada em homenagem a Fiamma Ferragamo